Castelo de San Michele

A figura de Violante Carroz está envolta em um mistério , essa mulher chamada “sanguinária” às vezes é descrita como terrivelmente cruel, às vezes tão apaixonada e forte.   

Sua história logo é marcada por seu primeiro luto, quando em 1470 perdeu seu pai. A menina se casou muito jovem e logo se tornou uma viúva, com a morte de seu primeiro marido. Durante os anos 1400, ela foi nomeada Condessa do castelo de Quirra e Cagliari e se casou pela segunda vez, trazendo dois filhos à luz. Infelizmente, o destino da condessa é marcado pela morte, como mesmo o próximo marido também morreu e a deixou e,  Violante encontrou-se implicada em um caso familiar contra sua sogra, para a proteção de seus pertences e filhos que morreram no final do século XV.

A condessa se casou novamente pela terceira vez, mas no início de 1500 ele se apaixonou por um Berengario Batroz e, por amor, tentou dissolver seu vínculo matrimonial com seu atual terceiro marido. Neste ponto, em sua vida, a figura histórica da mulher está entrelaçada com a lenda ; na verdade, dizia-se que o pároco de Quirra, Giovanni Castangia , seu pai espiritual, tentou dissuadi-la, negando sua ajuda, então Violante o fez enforcar por traição e deixá-lo pendurar por duas semanas na torre do castelo de San Michele em Cagliari . Por causa desse gesto hediondo, ela foi excomungado pelo pároco de Ales .

O assassinato brutal, que uma vez foi narrado como uma lenda , encontrou evidências históricas, mesmo que a verdadeira razão permaneça desconhecida. Também é uma hipótese de que a razão era devido a um sentimento não correspondido da mulher em relação ao pároco ou que ele havia gerido mal os poderes que ela conferiu a ele. O fato é que a história mais ou menos mitológica da condesa se torna cada vez mais misteriosa a partir desse acontecimento até sua morte em 1511.

Para alguns, Donna Violante Carroz se aposentaram nas paredes do castelo de San Michele, onde morreu, outras fontes atestam que ela se suicidou, atirando-se do penhasco do castelo de Quirra , para outros da colina de San Michele e ainda outros da mais alta janela da Torre do castelo de Cagliari . Em vez disso, há aqueles que dizem que ela passou o resto de sua vida, entre o remorso da ação cometida, no convento de San Francesco di Stampace . 

Até mesmo a figura de Donna Violante se torna parte das histórias de fantasmas da cidade de Cagliari , como se diz que o espírito dela se desloca no parque de San Michele sob o seu castelo ou no distrito de Stampace ou entre as ruínas do castelo de Quirra . Seja qual for a verdade, a condessa é um símbolo de Cagliari , o último castellana no castelo de San Michele , atualmente um monumento famoso que fica na colina e tem vista para toda a cidade.

UNA MISTERIOSA DONNA A CAGLIARI, TRA SANGUE E PASSIONE: DONNA VIOLANTE CARROZ

castello di San Michele

La figura di Violante Carroz è avvolta nel mistero, questa donna detta “la sanguinaria” viene talvolta descritta come terribilmente crudele, talvolta come appassionata e forte.   

La sua storia è presto segnata dal primo lutto, quando nel 1470 perse il padre. La fanciulla si sposò molto giovane e presto divenne vedova, con la morte del primo marito. Durante il 1400 venne nominata contessa del castello di Quirra e di Cagliari e si sposò per la seconda volta, mettendo alla luce due figli. Purtroppo, il destino della contessa è segnato dalla morte, in quanto anche il successivo marito se ne andò e Violante si trovò implicata in una causa familiare contro la suocera, per la tutela di suoi possedimenti e dei figli che morirono alla fine del 1400.

La contessa si risposò per la terza volta, ma agli inizi del 1500 si invaghì di un tale Berengario Batroz e per amore cercò di sciogliere il suo vincolo matrimoniale con l’attuale terzo marito. A questo punto della sua vita la figura storica della donna si intreccia con la leggenda; infatti, si narra che il parroco di Quirra, Giovanni Castangia, suo padre spirituale, cercò di dissuaderla, negandole il suo aiuto, allora Violante lo fece impiccare per tradimento e lo lasciò penzolare per due settimane nella torre del castello di San Michele a Cagliari. A causa di questo efferato gesto venne scomunicata dal parroco di Ales.

Il brutale omicidio, che un tempo veniva narrato come leggenda, ha trovato riscontri storici, anche se il reale motivo rimane sconosciuto. Si ipotizza anche che la ragione fosse dovuta a un sentimento non corrisposto della donna nei confronti del parroco o che lui avesse mal gestito i poteri che lei gli conferì. Sta di fatto che la storia più o meno mitologica della contessa diviene sempre più misteriosa da questo accadimento sino alla sua morte nel 1511.

Per alcuni Donna Violante Carroz si ritirò all’interno delle mura del Castello di San Michele dove morì, altre fonti  attestano che si suicidò gettandosi dalla rupe del castello di Quirra, per altri dal colle di San Michele e per altri ancora dalla finestra più alta della torre del castello di Cagliari. C’è invece chi racconta che trascorse il resto della sua vita, tra i rimorsi per il fatto commesso, nel convento di San Francesco di Stampace.
Addirittura la figura di donna Violante entra a far parte delle storie di fantasmi della città di Cagliari, in quanto si dice che il suo spirito passeggi nel parco di San Michele sotto il suo castello o nel quartiere Stampace o tra i ruderi del castello di Quirra. Qualunque sia la verità, la contessa è una figura simbolo di Cagliari, ultima castellana del castello di San Michele, attualmente celebre monumento che si erge sul colle e che sovrasta la città intera.