Arquivo | agosto, 2017

CRÔNICAS BRASILEIRAS: SOMENTE PARA MULHERES POLITICAMENTE INCORRETAS…

31 ago

 

Di: Danusa Leão

Fonte : Recanto das Letras

Tradução – Lucinha Dettori

Titulo : O Sorvete.
Resultado de imagem para imagem de um sorvete

DUAS BOLAS, POR FAVOR!

Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir sorvete de sobremesa, contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente uma bolinha minúscula do meu sorvete preferido.

Uma só? Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa.
Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um litro de sorvete bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O sorvete é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano.
A vida anda cheia de meias porções, de prazeres meia-boca, de aventuras pela metade. A gente sai pra jantar, mas come pouco.

Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.
Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de ‘fácil’).
Adora tomar um banho demorado, mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta.

Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo, mas tem medo de fazer papel ridículo.
Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar. E por aí vai.

Tantos deveres, tanta preocupação em ‘acertar’, tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação…

Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão…
Às vezes dá vontade de fazer tudo ‘errado’. Deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos.

Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito. Recusar prazeres incompletos e meias porções.

Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim: ‘Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora’…

Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar várias bolas de sorvete, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado.
Um dia a gente cria juízo. Um dia. Não tem que ser agora!

Por isso, garçom, por favor, me traga: cinco bolas de sorvete de chocolate, um sofá pra eu ver 10 episódios do ‘Law and Order’, uma caixa de trufas bem macias e o Richard Gere, nu, embrulhado pra presente. OK? Não necessariamente nessa ordem!

Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago…

—————————————————————————————————————————————–

Di: Danusa Leão

Fonte : Recanto das Letras

Tradução – Lucinha Dettori

Titulo : Il Gelatto
Due palle, PER FAVORE! –

Non c’è niente che mi lascia più frustrato che chiedere gelato per dessert, contando i minuti finché egli venga e poi vedere il cameriere ha messo di fronte a me una piccola pallina di mio gelato preferito.

Uno solo? quanto piu sofisticato il ristorante, minore è la parte del dessert.
Non mancheranno di dare è quello di passare un negozio, comprare una pinta di gelato cremoso e assaporare in casa con il diritto di ripetere tutte le volte che voglio, senza pensare a calorie, le buone maniere e la moderazione.

Il gelato è solo un esempio di ciò che è stato la nostra vita quotidiana.
La vita è piena di mezze porzioni, di piaceri di mezza bocca, di avventure a metà. Usciamo per cena, ma mangiamo poco.

Vai alla festa nuziale, ma resistete ai cioccolatini.
Conquista la cosiddetta libertà sessuale, ma deve far finta che sia difficile (la stragrande maggioranza delle donne teme ancora di essere etichettata “facile”).
Ama fare una doccia lunga, ma continua a non sprecare le risorse del pianeta.

Vuole baciare quel ragazzo 20 anni più giovane, ma ha paura di svolgere un ruolo ridicolo.
Vuole rimanere a casa a guardare un DVD, che si trova sul divano, ma si impegna a lavorare. E così va.

Tanti compiti, tante preoccupazioni per “farlo bene”, tanto impegno per passare attraverso la vita senza recupero …

Poi la vita va senza condimenti, politicamente corretti ed esistenzialmente noiosi, mentre stiamo diventando melanconicamente malsani …
A volte mi sento come fare tutto “sbagliato”. Lasciare da parte il righello, la bussola, la bussola, l’equilibrio ei 10 comandamenti.

Essere ridicolo, inadeguato, incoerente e non essere lì per quello che dicono e cosa pensano a noi. Rifiuti piaceri incompleti e mezze porzioni.

Anche Sant’Agostino, santo, si ribellò e disse una frase simile: “Dio, darmi continenza e castità, ma non adesso” …

Noi non aspiriamo alla santità e noi siamo qui di passaggio, si può (deve?) Vuoi più palline di gelato, caramelle, molti sapori vari dati e baci, l’acqua che avvolge senza fretta nel corpo, il cuore sazio.
Un giorno creiamo giudizio. Un giorno. Non deve essere adesso!

Così, cameriere, vi prego di portare cinque palline di gelato al cioccolato, un divano per me vedere 10 episodi di ‘Law and Order’, una scatola di tartufi molto morbidi e Richard Gere, nudo, avvolto ad oggi. OK? Non necessariamente in quell’ordine!

Poi vedremo come è stato fatto per risolvere il danno …

————————————————————–

 

As origens dos sobrenomes da Sardenha: das cores aos animais

29 ago

Fonte: La Nuova Sardegna
EDIÇÃO
SASSARI

A imagem pode conter: 1 pessoa, gato

Colaboração : Chiara Dettori – Olbia – Sardenha
Para Blog SSTM – Brasil
Edição em Português Brasileiro
Lucinha Dettori

As origens dos sobrenomes da Sardenha, das cores aos animais
Aqui estão alguns exemplos de como os sobrenomes ilhéus nasceram, divididos em grupos

Os apelidos. Entre os sobrenomes mais comuns são os derivados dos apelidos antigos refletem caracteristicas físicas ou qualidades morais como:
Conconi, Manca, Manos, Marras, Pala, PES, Poddighe, Sanna, Testoni, Virdis.

Nos sobrenomes, a história da Sardenha: os primeiros Sanna, são 17 mil
Os dez mais comum grupo de 10 por cento de todos os residentes na Sardenha. Tudo sobre as suas origens
 
A nobreza. nomes de família pertencia às casas dominantes e maiorais dos quatro estados de giudicali Calari, Arborea e Gallura Logudoro:

Lacon, Gunale, De Thori, Atenas, Orruvu que hoje correspondem à Laconi, Unali, Dettori, Attena / Atzene, Orrù.

Os sobrenomes de formação bizantinas: comida, Stòccoro.

Os coloridos. Nesta categoria entram o grupo constituido em Biancu, Canu, Nieddu, Pintus, Pintadu, Ruju, Spanu, Vargiu, Viola, Virdis.

Animais de estimação. Numerosos sobrenomes formadas a partir de nomes de animais como:

Angioi / Angioni, Boe / Boi, Caaddittu, Cadeddu, cabra, Gallu, Gattu, falcões, Lepori, Lodde / Loddo, Muroni, Piga, Pigureddu, Pilloni, Porcheddu, Porcu, Pudda / Puddu, Puggioni, Puligheddu, vaca, Zirolia.

“turistas” do passado. Os sobrenomes continentais:

De Roma, Romanu, Regitanu, Pisanu, Lucchesu, Milanesa, Napulitana, Perusinu, Spagnolu, Cadalanu. Os sobrenomes juntos da Córsega que constituem o maior grupo (7%) das articulações dos sobrenomes de fora:

Sisco, Murtula, Olmeta, Lupin, Opinu, Marignacio, Casabianca, Casanova, Coasina, Altana, Abozzi, De Campo, Alivesi, Aquenza, Paliacio, Cassano, Lorettu, Delo Frasso / Frassu, Niolu, Cotti, Cottoni, Loru, Vico, Sari, De Liperi o Deliperi, Carcopino, Arruda, Apietu, Ogana, Bastèlica, Defraia, Ortu, Canais, Fattacciu, Furziolu, Cardu, Ornano, Apila, Mugano, Petretto, Cargiaga, Frasseto, Della Rocca, Fozzi, Figo, Olmeto, Calvesi, Arca, Carossino, Gugliani, Delitala, Cossiga, Cossu.

O mundo vegetal.
Chessa, Fae / Fais, Floris, Melas, Paredes, Murtas, Piras, Piseddu, Pisurci, Suelzu, Usai.

Os lugares habitados. nomes de família são formados a partir de nomes de lugares e adjetivos étnicos:

 Addis / Devaddes, Agos / Agus, Anela, Angius, Arcai, Ardu, Are, Argiolas, Arixi, Asuni, Atzara, Atzeni, Azuni, Bantinesu, Barbarighinu, Bitti, Bittichesu, Bosa, Bosincu, Burghesu, Cabras, Cabras, Calaresu, calvia, Campu (s), Apagar, Cannas, Capula, Cherchi, Codina, Concas, Congiatu, Corona, Corongiu, Corosu, Crasta, Cuballa, Cuccuru, pinhão, Decorte, Demartis, Demontis, Dessi, Dore, Dorgali, Dualchi, Ena , construída, Etzi, Fanari, flumine, Fonni / Onnis, Frailis, Frongia, Gadoni, Gallulesu, Genoni, Ghirra, Idili, Ittiresu, Laconi, Ela, Mandaresu, Mara, Maresu, Marghinesu, Muresu, Nulvesu, Olzai, Onida, Oppia , Orani, Orgolesu, Orunesu, Pau / Depau, Paulesu, Posadinu, Samugheo, Sardara, Scanu, Sedilesu, Seneghe, Senes, Serrenti, Sestu, Setzu, Siddi, Silanesu, Sini, Sulcis, Talanas, Taras, Teti, Tiana, Turri , Uras, Uscidda, Useli.

Da Espanha. nomes de família que terminam em -ez ou -es são de origem espanhola:

Alvarez Diez Fernandez Gomez Gutierrez, Ibañez, Iguanez, Lopez, Martinez, Perez, Rodriguez, Sanchez Valdes, Ximenes.

Claro sobrenomes ibéricos não se limitam a estes porque os documentos também são atestadas Alagon, Amat, Asquer, Aymerich, Bacallar, Bellit, Busquet, Cabrera, Canelles, Carbonell, Carnicer, Carcassonne, Carrillo, Carroz, Castelvì, Català, Coloma, Cervellón de Aragall, de Cardona, de Madrigal, Fabra, Fillol, Fortesa, Garcet, Navarro, Oliveras, azeitonas, Pacheco, Picasso, Pimentel, português, Ravaneda, Roig, Salazar, Sanjust, Silvestre, Soler, Toda, Torrellas, Zapata, Zatrillas, Zúniga.

———————————————————————————————————–

lFonte:La Nuova Sardegna
EDIZIONE
SASSARI
Per Blog SSTm – Brasile
Edição em portugues brasileiro
Lucinha Dettori

Le origini dei cognomi sardi, dai colori agli animali
Ecco alcuni esempi su come sono nati i cognomi isolani, divisi per gruppi

I soprannomi. Tra i cognomi più comuni ci sono quelli che derivano dagli antichi soprannomi riflettono caratteristiche fisiche o qualità morali: Conconi , Manca , Manos , Marras , Pala , Pes, Poddighe, Sanna, Testoni, Virdis.

Nei cognomi la storia della Sardegna: i Sanna primi, sono 17mila
I dieci più diffusi raggruppano il 10 per cento di tutti i residenti in Sardegna. Tutto sulle loro origini

La nobiltà. I cognomi appartenuti alle case regnanti e ai maiorales dei quattro stati giudicali di Calari, Arborea, Logudoro e Gallura:

Lacon, Gunale, De Thori, Athen, Orruvu che oggi corrispondono a Laconi, Unali, Dettori, Attena/Atzene, Orrù.

I cognomi di formazione bizantina: Comida , Stòccoro.

I colorati. In questa categoria rientra il gruppo costituito da Biancu, Canu, Nieddu, Pintus, Pintadu, Ruju, Spanu, Vargiu, Viola, Virdis.

Gli animali. Numerosi i cognomi formati da nomi di animali come :

Angioi/Angioni, Boe/Boi, Caaddittu, Cadeddu, Capra, Gallu, Gattu, Falchi, Lepori, Lodde /Loddo, Muroni , Piga , Pigureddu , Pilloni , Porcheddu, Porcu, Pudda/Puddu, Puggioni, Puligheddu, Vacca, Zirolia.

“Turisti” di altri tempi. I cognomi continentali:

De Roma, Romanu, Regitanu, Pisanu, Lucchesu, Milanesa, Napulitana, Perusinu, Spagnolu, Cadalanu. I cognomi giunti dalla Corsica che costituiscono il gruppo più numeroso (7%) dei cognomi giunti dall’esterno:

Sisco, Mùrtula, Olmeta, Lupino, Opinu, Marignacio, Casabianca , Casanova , Coasina , Altana , Abozzi, De Campo, Alivesi, Aquenza, Paliacio, Cassano, Lorettu, Delo Frasso/Frassu, Niolu, Cotti, Cottoni, Loru, Vico, Sari , De Liperi o Deliperi , Carcopino, Arru , Apietu , Ògana , Bastèlica , Defraia, Ortu, Canali, Fattacciu, Furziolu, Cardu, Ornano, Apila, Mugano, Petretto, Cargiaga, Frasseto, Della Rocca, Fozzi, Figo, Olmeto, Calvesi, Arca, Carossino, Gugliani, Delitala, Cossiga , Cossu.

Il mondo vegetale.
Chessa, Fae/Fais, Floris, Melas, Mura, Murtas, Piras, Piseddu, Pisurci, Suelzu, Usai.

I luoghi abitati. I cognomi sono formati da toponimi e aggettivi etnici:

Addis/Devaddes, Agos /Agus, Anela, Angius, Arcai, Ardu, Are, Argiolas, Arixi, Asuni, Atzara, Atzeni, Azuni, Bantinesu, Barbarighinu, Bitti, Bittichesu, Bosa, Bosincu, Burghesu, Cabras , Cabras , Calaresu , Calvia , Campu(s), Cancella, Cannas, Capula, Cherchi, Codina, Concas, Congiatu, Corona , Corongiu, Corosu, Crasta, Cuballa, Cuccuru , Curcas , Decorte, Demartis, Demontis, Dessì, Dore, Dorgali, Dualchi, Ena, Eretta, Etzi, Fanari, Flùmine, Fonni/Onnis, Frailis, Frongia, Gadoni, Gallulesu, Genoni, Ghirra, Idili, Ittiresu, Laconi, Lei, Mandaresu, Mara, Maresu, Marghinesu, Muresu, Nulvesu, Olzai, Onida, Oppia, Orani, Orgolesu, Orunesu, Pau/Depau, Paulesu, Posadinu, Samugheo, Sardara, Scanu, Sedilesu, Seneghe, Senes, Serrenti, Sestu, Setzu, Siddi, Silanesu, Sini, Sulcis, Talanas, Taras, Teti, Tiana, Turri, Uras, Uscidda, Useli.

La Spagna. I cognomi che terminano in -ez o in -es sono di origine spagnola:

Alvarez, Diez, Fernandez, Gomez, Gutierrez, Ibañez, Iguanez, Lopez, Martinez, Perez, Rodriguez, Sanchez, Valdes, Ximenes.

Naturalmente i cognomi iberici non si limitano a questi perché nei documenti sono attestati anche Alagon , Amat , Asquer, Aymerich, Bacallar, Bellit, Busquet, Cabrera, Canelles, Carbonell, Carnicer, Carcassona, Carrillo, Carroz, Castelvì , Català , Coloma , Cervellon , De Aragall , De Cardona , De Madrigal , Fabra , Fillol, Fortesa, Garcet, Navarro, Oliveras, Olives, Pacheco, Picasso, Pimentel, Portugues, Ravaneda, Roig, Salazar, Sanjust, Silvestre, Soler, Toda, Torrellas, Zapata, Zatrillas , Zúniga.

 

 A SEDA DE ORGOSOLO : IL LIONZU – A MAIS BELA PEÇA DO TRAJE TÍPICO FEMININO DI ORGOSOLO.

25 ago

 

Seda em Orgosolo (ISRE 1991)
O documentário, entre 1988 e 1991

A Sardenha de meus avós e agora minha, que  amo intensamente, nunca me deixa de  surpreender…

Como poderia pensa que em  Orgosolo, a pequena comuna italiana da região da Sardenha, província de Nuoro, com cerca de 4.540 habitantes, já conhecida por todos nós, como a cidade dos mais belos Murais da sardenha, ainda pudesse  existir esta tradição artesanal tão antiga, como a da criação do bico da passado a séculos de geração a geração?

Esta tradição, tem como  única finalidade, não deixar morrer a tradição que é a confecção  da mais bela peça do vestuário típico  Orgolese, o  ” LIONZU” ou o lenço, um dos elementos tradicionais que compõe o traje típico da belíssima vestimenta  feminino de Orgosolo. este e usado  em torno da cabeça e pescoço das lindas jovens da Sardenha, em apresentações especiais, como festas e cortejos na cidade.

Esta é uma ótima e maravilhosa viagem que vocês poderão fazer atrás desse incrível vídeo de apenas alguns minutos que descreve todo  o ciclo de criação do bicho da seda até a  produção do tecido para a confecção do LIONZU, com uma riqueza de detalhes jamais vista. .

Confesso que nunca havia visto um trabalho manual de tamanha, magnitude. Este foi um maravilhoso achado na internet, que muito me satisfaz compartilhar com os amigos do Blog. 

Realização:

Paolo Piquereddu (diretor), Ignazio Figus (filmagem), Virgilio Piras (som).
Por Isre Nuoro

Por SS|T|M – Brasil

Edição em português

Lucinha Dettori.

——————————————————————————————————————–

Seta in Orgosolo (ISRE 1991)
Il documentario, tra il 1988 e il 1991

La Sardegna dei miei nonni e ora il mia, che amo intensamente, non smette di stupirmi …

Come si potrebbe pensare che in Orgosolo, il piccolo comune italiano della regione Sardegna, provincia di Nuoro, con circa 4.540 abitanti, già conosciuto da tutti noi, come la città dei murales più belli della Sardegna, possa ancora, esistere questa vecchia tradizione come quella della creazione del baco da seta passata da secoli di generazione a generazione?

Questa tradizione ha il solo scopo, non lasciar morire la tradizione che è la realizzazione del più bel pezzo di abbigliamento tipico orgolese, il “LIONZU” o la sciarpa, uno degli elementi tradizionali che compongono il costume tipico del bel vestito femminile Orgosolo. Questo e utilizzato intorno alla testa e al collo delle belle giovani della Sardegna, in presentazioni speciali, come feste e sfilate in città.

Questa è un grande e meraviglioso viaggio che si può fare dopo questo incredibile video di pochi minuti che descrivono tutto il ciclo di creazione animale per la produzione di tessuto per rendere il LIONZU, con una ricchezza di dettagli mai visti prima. .

Confesso che non avevo mai visto un lavoro manuale di tale grandezza. Questo è stato un meraviglioso scoperto su internet, che sono molto felice di condividere con gli amici del Blog.

realizzazione:

Paolo Piquereddu (regista), Ignazio Figus (filmato), Virgilio Piras (suono).
Da Isre Nuoro

Da SS | T | M – Brasile

Edizione in italiano

Lucinha Dettori.

Curso de Genealogia – Aprenda como pesquisar a memória de seus antepassados italianos

22 ago

PROFESSOR  - STANLEY SAVORATTI

PROF.STANLEY SAVORETTI

Amigos,

Em resposta a centenas de e-mails que recebo via Blog ou em particular a respeito de buscas de documentos de antepassados, em particular  os oriundos da sardenha, repasso este convite  a todos que tem interesse de fazer sua pesquisas genealógicas e não sabem por onde começar…

Um caro abraço da amiga 

Lucinha Dettori

REPASSANDO…

 

Inscrições abertas.
Garanta já a sua vaga!
Curso de Genealogia ministrado
pelo pesquisador Stanley Savoretti de Souza
será realizado em Setembro 2017.

Como anunciado durante o VII Seminário da Imigração Italiana em Minas Gerais, o Curso de Genealogia
tem por objetivo apresentar as ferramentas disponíveis nos meios digitais para a pesquisa de documentos
dos antepassados das famílias italianas e mostrar as formas de pesquisa necessárias para a obtenção de
informações mais aprofundadas sobre suas histórias e memórias.
Com o apoio da PUC Minas – Praça da Liberdade e do Seminário da Imigração Italiana em Minas Gerais, o
pesquisador Stanley Savoretti de Souza ministrará o curso no seguinte período:
Dias: 04, 05, 18 e 19 de Setembro,
Local: Auditório da PUC Minas – Praça da Liberdade, sala 611 (localizado à Rua Sergipe, 790 – Savassi –
Belo Horizonte),
Horário: das 17 às 19h30.
Valor: R$ 200,00 (duzentos reais em cash), a ser pago no dia 04 de Setembro.
As inscrições serão realizadas no período de 21 a 25 de agosto e ficarão restritas à capacidade total do
espaço.
Aguardamos sua inscrição pelo link:
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScuPzSUOQjYDE1RyxkLZPxb_30hd71_FiytKp87Lx4lIUMLqg/viewform?u
sp=sf_link
Até o curso e abraço meu,

Martha Toffolo
Coordenação de Comunicação
Curso de Genealogia de Famílias Italianas
Tel. (31) 3221-6959  – Cel.(31) 8745-6959
marthatoffolo@gmail.com

 

 

SARDENHAS DAS MARAVILHAS – VOCÊ SÓ ACREDITA SE VÊ – VILASSIMIUS

12 ago

Sempre a cata de novidades e coisas fantástica da minha ilha amada Sardenha, reproduzo este vídeo no Blog Sardegna terra Mia, para todos os amantes e amigos da ilha. Este foi um dos pontos que infelizmente não pude visitar em minha ultima estada na ilha em setembro último na capital Cagliari. Mas volto lá no próximo ano se Deus quiser e ele quer e eu também. ..Apenas para recapitular : Villasimius é uma comuna italiana da região da Sardenha, província de Cagliari, com cerca de 2804 habitantes. Estende-se por uma área de 58 km², tendo uma densidade populacional de 48 hab/km². Faz fronteira com Castiadas, Maracalagonis, Sinnai. 

Fonte : Francesco Caredda

compartilhamento do vídeo  no grupo  SARDENHA MARAVILHAS ” Porque Sardenha é outra coisa”

Tradução para português : Lucinha Dettori

“Villasimius com Francisco Porcella! Este Lindo local criado por Villasimiusturismo.it O protagonista é o atleta Sardo de Surf Francisco Porcella, ( verdadeiramente um apolo) nos mostrando toda a beleza de uma das áreas mais surpreendentes da Sardenha: VILLASIMIUS! Um vídeo para encher os olhos e guardar .”