Arquivo | dezembro, 2017

6 Coisas Que Deve Manter Em Segredo, Segundo Os Sábios

16 dez

Os povos antigos eram dotados de uma sabedoria incomparável. Muitas de suas descobertas e ensinamentos sobreviveram até os dias de hoje – e isso não é por acaso, os sábios orientais, por exemplo, deixaram muitos ensinamentos que se mantêm atualizados até os dias atuais. Estes são  ensinamentos do mundo oriental: que  estes ensinamentos  norteiem nossas vidas em  2018… 

              AOS COLABORADORES DO BLOG SARDEGNA TERRA MIA  E A  VOCÊ QUE NOS HONROU COM A SUA VISITA  EM 2017 DESEJO:

25157950_10213476632663765_1885899047558729204_n

  1. Nunca revele o que você está planejando para o seu futuro
  • Comentar o que pretende fazer no futuro pode resultar numa grande frustração: desistência.
  • As pessoas podem ser bastante negativas e levar você a desacreditar no seu sonho.
  • Mantenha segredo entre você e Deus.
  • Quando tudo já estiver bem encaminhado, comemore com quem ama.
  1. Não compartilhe com os outros sobre as limitações de seu corpo
  • Sabe quando você tem dores, cansaço ou enfrenta dificuldades para realizar algumas atividades?
  • Se possível, não compartilhe isso com todo mundo.
  • O corpo é algo muito pessoal e você deve aprender a ser forte e conviver com ele sem lamentações.
  1. Não se vanglorie de seus atos mais caridosos
  • Se você ajuda alguém, deve fazer por amor e não para se vangloriar.
  • O ego pode estimular essa atitude horrível, mas fuja ao máximo da arrogância.
  • Além de se colocar numa situação bem complicado, você também pode deixar outras pessoas constrangidas e humilhadas.
  1. Evite se gabar da sua coragem e do seu valor
  • Quando alguém é digno de admiração, as pessoas reconhecem facilmente, não é preciso você se gabar.
  • O máximo que vai conseguir se autopromovendo são críticas e uma imagem nada positiva.
  1. Não desperdice seu tempo falando mal dos outros
  • Quando falamos mal dos outros, estamos revelando muito mais sobre nós do que sobre quem reclamamos.
  • Além disso, o ambiente fica pesado e a mente cheia de pensamentos ruins.
  1. Não diga todos os problemas que sofre em sua vida pessoal
  • Há quem sai divulgando, até nas redes sociais, os problemas que vem enfrentando.
  • Lembre-se de que é muito importante se preservar.
  • Quando falamos demais, corremos o risco de revelar segredos ou de ficarmos muito vulneráveis diante de quem nos ouve.

fONTE :Publicado originalmente em Mulher depois dos 40

REEDIÇÃO LUCINHA DETTORI

 

13 DEZEMBRO DIA DE SANTA LUCIA. A LENDA DO “LÙ Dì L’OCCI”

13 dez

Fonte : Ignazio Mura no Almanaque Turritano
Enviado por Domenico Melia. Sassari – Sardenha
Adaptação: Blog SSTM – Brasile
Edição Lucinh Dettori

A imagem pode conter: pessoas sentadas, bebida, mesa, comida e área interna

“Sra. Lucia, chamada” Bacalhau “
No Reino da Sardenha, foi Carlo Alberto que, com o Regie patenti ( ou patentes reais) de 20 de junho de 1837, S.M. aprovou os regulamentos  da guarda de registros destinados a verificar o estado civil, sob reserva de acordo com a Santa Sé, impondo  os registros  do estado civil dos sujeitos através dos livros paroquiais, especialmente modificados e padronizados, de modo a ter um duplo valor,  Religioso e Civil “.

Até então, mas também depois, costumava reconhecer as pessoas mais por seus apelidos do que por seus nomes oficiais e sobrenomes; Na verdade, muitas vezes uma pessoa tinha dois apelidos. É “o caso da Sra. Lucia, chamada” Bacalhau “, que vivia na Via Arborea, que por sua grande capacidade de conhecer os fatos particulares de todos os que viviam naquela rua, também foi chamada pelo apelido de” A Gazeta ” .

Como você pode ver, a Sra. Lucia teve dois apelidos para distingui-la dos outros membros de sua grande família.
A senhora em questão era uma mulher muito pesada, com  cerca de 100 kg. Porém o  apelido que trazia “Bacalhau”” herdara de um dos seus antepassados, o que parece ser magro e fino, como um ”  bacalhau”.

A sra. Lucia, ironicamente, estava quase cega, apesar de ter o nome da protetora dos olhos e dos cegos, ela tinha um caráter doce e pacífico, muitos se voltavam para ela para  conselhos, conforto ou para libertar-se do mau-olhado . Ela era  viúva, de Maximinus, que morrera num campo russo, que ela nem sabia onde ficava, mas  lhe disseram que ele estava num lugar muito frio e  ela arramjou um jeito de explicar isto para aqueles que lhe perguntavam onde estava o marido, respondendo prontamente  << Já está bem, em um lugar muito fresco >>.

Quando ela tirava o mau olhada das pessoas, se sentava sobre uma imagem de Santa Lúcia, colocava um copo de água na cabeça da desafortunada e mergulhava  uma pedra no rio, a qual sendo porosa, liberava bolhas de ar, o número dessas, dependia da intensidade do mau olhado. Seguiam orações e orações incompreensíveis, também em latim. As pessoas, mesmo não entendo por quais  mecanismo, no entanto, ficavam convencidas de ter se libertado do mau olhado ou a má sorte. Toda  essa  cerimônia foi chamada “LU Dí L’OCCI”

Pubblicato da Ignazio Mura sull’Almanacco Turritano

OGGI 13 DICEMBRE SANTA LUCIA.
“La signora Lucia, detta “Baccaglià”,
Nel Regno di Sardegna, fu Carlo Alberto che, con le Regie patenti del 20 giugno 1837 S.M. approvò l’annesso Regolamento per la tenuta dei registri destinati ad accertare lo stato civile, previo accordo con la Santa Sede, impose l’accertamento dello stato civile dei sudditi attraverso i libri parrocchiali, appositamente modificati ed uniformati, in modo che da avere doppio valore Religioso e Civile”.

Sino ad allora ma anche dopo , era consuetudine riconoscere le persone più da i loro soprannomi, che dai loro nomi e cognomi ufficiali ; anzi molto spesso una persona aveva due soprannomi. E’ il caso della signora Lucia, detta “Baccaglià”, residente in via Arborea, che per la sua grande capacità di conoscere i fatti privati di tutti coloro che abitavano in quella strada , era anche appellata con il nomignolo di, “ La gazzetta“.

Come vedete la signora Lucia aveva due soprannomi , per distinguerla da gli altri componenti della sua numerosa famiglia .
La signora in questione, era una donna molto pesante , pesava circa 100 kg, per cui il nomignolo che portava “ Baccaglià” , lo aveva ereditato da un suo avo , che pare fosse magro e smilzo, proprio come una “ pala di baccalà”.

Signora Lucia, ironia della sorte , era quasi cieca , nonostante portasse il nome della protettrice degli occhi e dei ciechi , aveva un carattere dolce e pacato , in molti si rivolgevano a lei per avere un consiglio o conforto o per liberarsi dal malocchio. . Era vedova, il marito Massimino, era morto nella campagna di Russia , lei non sapeva neppure dove fosse ma gli avevano detto che faceva un gran freddo e lei se n’era fatta una ragione , a chi gli chiedeva dove fosse suo marito , rispondeva molto sbrigativamente << Già isthazzi bè, già è a lu freschu>>.

Quando eliminava il malocchio , si sedeva sotto una immagine di santa Lucia , posava sulla testa della malcapitata un bicchiere d’acqua e vi immergeva una pietra di fiume ,la quale essendo porosa , liberava delle bollicine d’aria , dal numero di queste dipendeva l’intensità del malocchio. Seguivano orazioni e preghiere incomprensibili , anche in latino . La giovane , chissà per quale meccanismo , comunque si convinceva di essersi liberata dalla malasorte . Tutta la cerimonia veniva chiamata
“LÙ Dì L’OCCI”