SÉRIE GRANDES PINTORES SARDOS :  Entre efeitos extraordinários de luz e sombra ROBERTO LUIU pinta o rosto e a identidade de Sassari.

22 abr

                               Talentoso jovem pintor sassarese – ROBERTO LUIU

Queridos amigos,

Com grata satisfação edito este post, na série “GRANDES PINTORES SARDOS”, para  divulgar  a beleza harmônica da arte de ROBERTO LUIU,  um admirável pintor Sassere, que tão generosamente me cedeu a pintura “Vallada del Rosello” (foto abaixo) como capa do livro que  acabei de escrever sobre as reminiscências dos meus avós sassares, cujo  enredo gira em torno deste fabuloso monumento renascentista do século XVII,  único da Sardenha.

                                         Vallata del Rosello – olio su tela cm. 30×24

Vamos então conhecer ou relembrar pouco da biografia desse admirável jovem pintor Sassares, que nasceu no distrito de Sassari, muito graciosa e tranquilo, que tive o prazer de visitar, por nome Leite Doce ou em sassares, Latti Dozzi, com 9000 habitantes.

Roberto confessa que tem muito orgulho de seus pais terem nascido dentro das paredes do centro histórico de Sassari, assim como meus avós paternos.  Ele nasceu e se criou em Via Pasubio, e se mudou com a família para a área de Late Dolce, onde ainda mora. 

Ele ama esse bairro e ali criou fortes raízes. E foi justamente neste local que ele pintou a sua obra de arte predileta e, que mais ama que é   “Sassari alla finestra – Panorama e Duomo di San Nicola, já mencionada em outros posts desse Blog. 

Vamos relembrar um pouco da Biografia desse proeminente artista sardo.

Nascido em Sassari em 1966, ele se projetou desde 1987, ano da sua estreia, com uma atividade artística intensa, ganhando muitos prêmios, reconhecimento crítico e audiências. Roberto expõe em Sassari, Ardara, Roma, Sorso, Porto Torres, Cagliari, Santa Teresa di Gallura e Osilo.

Mais tarde, dedicou-se quase exclusivamente para a sua cidade. Sua primeira exposição individual “ERA UMA VEZ…. SASSARI” foi apresentado em 2001 no curso de Sassari. No ano seguinte, apresenta sua segunda exposição individual “Sassari”, apresentado no Salão de prestígio do Palazzo Ducale Duce sempre em Sassari.

Em 2005, ele irá novamente retratar “Sassari” expondo, ao palácio da frumentaria,  com um maior número de obras para além das apresentadas no ano de 2002. Em 2007, será a vez de “Notturni Sassaresi” apresentada na sala de Duce.

A exposição foi um enorme sucesso. Ele apresentou uma Sassari de ontem e hoje exclusivamente durante a brisa da noite com efeitos extraordinários de luz e sombra. Em 2010, novamente na sala Duce, Luiu apresenta “O mè Ziddai”. Outro grande sucesso do público no teatro. “(Da revista” “Sassari”, ontem … Hoje … Amanhã, No. 0).

“A paixão pelo desenho estava presente desde a minha infância. Como um adolescente eu decidi fazer a coisa mais a sério tentando pintura. E esta é a minha mais cara e grande paixão, que agora  cultivo o crescimento, inabalável. (A revista “Sassari, ontem … hoje e….amanhã,  No. 2)  Abro a pequena galeria da imensa coletânea das lindas obras de Luiu para apreciação de vocês.

 

      Testo adaptado pra o italiano.            

Cari amici,

Con gratitudine, sto modificando questo post nella serie “GRANDES SARDOS PAINTERS”, per promuovere l’armoniosa bellezza dell’arte di ROBERTO LUIU, un ammirevole pittore Sassere, che così generosamente mi ha regalato il dipinto “Vallada del Rosello” (foto sotto)
come copertina del libro che ho appena scritto sulle reminiscenze dei miei nonni sassares, la cui trama ruota intorno a questo favoloso  monumento  del rinascimento e  unico della Sardegna del  secolo XVII.

Facciamo quindi conoscere o ricordare poco della biografia di questo mirabile giovane pittore Sassares, nato in un grazioso e tranquillo quartiere di Sassari, che ho avuto il privilegio di conoscere, per nome Late Dolce o in sassares, Latti Dozzi, con 9000 abitanti.

Roberto confessa di essere molto orgoglioso del fatto che i suoi genitori siano nati all’interno delle mura del centro storico di Sassari, così come i miei nonni paterni. È nato e cresciuto in Via Pasubio e si è trasferito con la sua famiglia nella zona del Lateo Dolce, dove vive tuttora.

Ama questo quartiere e ha creato forti radici lì. Ed è proprio in questo luogo che ha dipinto la sua opera d’arte preferita e che ama di più che è “Sassari alla finestra – Panorama e Duomo di San Nicola, già citato in altri post di questo Blog.”  In cui , apro la piccola galleria dell’immensa collezione del bellissime opere di Luiu per il tuo apprezzamento.     Ricordiamo un po ‘della biografia di questo eminente artista sardo.

“Roberto Luiu nasce a Sassari nel 1966. Ha svolto a partire dal 1987, anno del suo debutto, un’intensa attività artistica conquistando non pochi riconoscimenti di critica e di pubblico. Roberto espone a Sassari, Ardara, Roma, Sorso, Porto Torres, Cagliari, Santa Teresa di Gallura e Osilo.

Sucessivamente si dedica quasi completamente alla sua città. La sua primissima mostra personale “C’era una volta… Sassari” fu presentata nel 2001 ovviamente a Sassari. L’anno successivo presenta la sua seconda personale “Sassari” presentata nella prestigiosa Sala Duce del Palazzo Ducale sempre a Sassari.

Nel 2005 si ripropone ancora una volta con “Sassari” esponendo, al palazzo della Frumentaria, un maggior numero di opere oltre a quelle presentate nell’anno 2002. Nel 2007 sarà la volta di “Notturni Sassaresi” presentata nella Sala Duce.

La mostra ebbe un enorme successo. Presentava una Sassari di ieri e di oggi esclusivamente durante la brezza notturna con straordinari effetti di luci e ombre. Nel 2010, sempre nella Sala Duce, Luiu presenta “La mè Ziddai”. Altro enorme successo da parte del pubblico presente in sala.” (Dalla rivista “Sassari, Ieri…Oggi…Domani, n° 0).

“La passione per il disegno era presente fin dalla mia infanzia. Da adolescente decisi di rendere la cosa più seriamente provando con la pittura. ed ecco la mia più grande e cara passione, ancora oggi coltivo, senza sosta. (Dalla rivista “Sassari, Ieri…Oggi..Domani, n° 2)

 

Anúncios
Nota

ROBERTO LUIU – O GRANDE PINTOR SASSARESE DOS EFEITOS EXTRAORDINÁRIOS DE LUZ E SOMBRA

21 abr

Sardegna Sa Terra Mia

roberto 2                                                                                                        Talentoso jovem pintor sassarese – ROBERTO LUIU

Caros Amigos, 

Em um dos muitos contatos com meu caro amigo DOMENICO MELIA,pesquisador da antiga história  da Sardenha, perguntei-lhe sobre uma foto muito intrigante que havia descoberto na internet sobre a Fontana de Rosello, um dos temas centrais do livro que acabei de escreve sobre minhas raizes sardas, o qual será disponibilizado  em breve, no formato E-book.

Esta pintura, por nome,  Vallata del Rosello – olio su tela cm. 30×24, me chamou muito a atenção, justamente pelos contrates de luz e sombras que faz desta pintura, algo diferente  e fascinante.

Me…

Ver o post original 804 mais palavras

SÉRIE GRANDES PINTORES SARDOS: CICI PEIS – Um artista que irradia força e realidade ao retratar a vida e a natureza

19 abr

Caros amigos,

O Blog Sardegna  Sa Terra Mia em Português, tem como objetivo divulgar não apenas a cultura e a história da Sardegna, mas também colocar em evidencia as próprias cidades e seus personagens locais. Assim o Blog  procura fazer conhecer as  próprias raízes dos  descendentes dos  6.013  sardos que  emigraram para o Brasil no século XIX, em busca de uma  nova perspectiva de vida.

Em Minas Gerais chegaram menos de 500 oriundos da Sardegna, que, como meus avós paternos Sassareses optaram  por esta região do sudeste brasileiro, onde tiveram a sorte de encontrar, um povo de cultura campesina, acolhedor, cordial e com o mesmo  caráter servado dos Sardos. 

Dando seguimento à “SERIE GRANDES PINTORES SARDOS” quero reapresentar CICI PEIS, um pintor que fui buscar  na maravilhosa cidade de Guspini, uma comuna italiana da região da Sardenha, província de Cagliari e  que ama retratar a terra e a sua gente, em fim,  suas práprias  raízes.

Tudo começou a pouco tempo, quando vi algumas de suas pinturas  e me e encantei com o seu  jeito meio Naif de ser, pintura, que amo de paixão por diferir da arte rigidamente acadêmica, intelectualizada que não possui a   ingenuidade  dos que pintam com a alma, como é o caso deste artista que lhes apresento e  que nasceu com a genialidade e o dom para ser um  artista.

Esta   genialidade, podemos identificar em diversas obras di Cici Peis, como características dos notáveis e grandes pintores, em particular da primeira fase do modernismo no Brasil, como da nossa fabulosa Tarsila do Amaral e muitos outros do mesmo movimento vanguardista.

Bem, esta é apenas a opinião de uma pessoa não muito erudita na materia, que gosta  apenas de apreciar a bela Arte  da pintura, sem nenhuma pretensão de fazer qualquer tipo de comentário técnica, motivo pelo qual  quero sugerir  este  link http://www.medialabsonline.com/file/cici_peis_la_mia_sardegna_web.pdf   onde é ossivel ler alguns comentários criticos sobe a arte di Cici Peis, publicadas pelos criticos italianos  da arte  da pintura,   renomados como    Alba Patanè , nascida na Cidade de Rieti  da Região de lácio,  com a qual,  compartilho a mesma  opinião sobre Ceci Peis. Transcrevo um pequeno trecho de seu comentário critico  abaixo:

“….Sua pintura se preocupa com a vida e a natureza. Seus pastores, seus  Agricultores, pescadores e garimpeiros, que irradiam força, a força da realidade a estimular sensações, envolvendo o espectador em memórias de momentos de suas vidas na juventude….Cici é a prova de que você pode ser um  verdadeiro mestre, mesmo sendo um  autodidata….”

Edição:  Blog SSTM em português – Brasil 

Por Lucinha Dettori

                           www.guspini.net – uma bela vista panorâmica da cidade onde nasceu Ceci Peis – Guspini 

                                                         

” Guspinese de nascimento, mas vivo a anos em  Alghero. Pintor por paixão,  autodidata, otimista, eu gosto, é um pouco estranho dizer, de tudo que é belo.Tenho muitos interesses e predisposição para estabelecer novos conhecimentos. As pessoas  dizem que sou  ….  uma brava pessoa ! ! !”

 ‘Guspinese di nascita, da una vita ad Alghero.Pittore per passione, autodidatta, ottimista , mi piace, strano a dirsi, tutto ciò che è bello.Ho tanti interessi e predisposizione a stabilire nuove conoscenze.Dicono che sono …. troppo togo ! !

  UMA PEQUNA MOSTRA DE SEUS INCRIVÉIS TRABAHO 

 UM POUCA DA  BIOGRAFIA DE CICI PEIS :

fonte : http://www.sardegnaminiere.it/schedacici.htm

 

————————————————————————————————————————————————————–

 TESTOS IN ‘ITALIANO:

Cari Amici,

 Blog Sardegna Sa Terra Mia in portoghese, ha lo scopo di diffondere non solo la cultura e la storia della Sardegna, ma mettere in evidenza anche le proprie città e i suoi personaggi locali . Così il blog cerca di far conoscere le proprie radici ai discendenti dei 6.013 sardi emigrati in Brasile nel secolo XIX , alla ricerca di una prospettiva di vita migliore.

Nelle Minas Gerais arrivarono quasi 500 persone dalla Sardegna, che, anche a caso scelse questa regione del sud-est del Brasile, tra cui i miei nonni paterni Sassaresi, trovando qui , per fortuna, un popolo accogliente e contadini che avevano un carattere simile, in termini di calore umano e lo stesso modo introverso dei sardi.

In questa serie voglio ripresentare CICI PEIS, un pittore che è andato nella meravigliosa città di Guspini, un comune italiano della regione Sardegna, in provincia di Cagliari e che ama ritrarre, la terra e la sua gente, le proprie radici.

L’approfondimento è iniziato poco tempo fa, quando ho visto alcuni dei suoi dipinti e sono rimasta affascinata dal suo modo di essere un po’ Naif, che io amo appassionatamente, perche é un’arte che differisce dall’ accademico rigido e intellettuale, rispetto all’ingegno di coloro che dipingono con l’anima, come è il caso di questo artista che vi presento, nato con il genio e il dono di essere un artista.

Questa genialità, possiamo identificarla in diverse opere di Cici Peis Le caratteristiche notevoli dei grandi pittori, in particolare quelli nella prima fase del modernismo in Brasile, come la nostra favolosa Tarsila do Amaral e molti altri dello stesso movimento d’avanguardia.

Beh, questa è solo l’opinione di una persona non molto erudita in materia, a cui piace solo godere l’arte della bella pittura, senza alcuna intenzione di fare qualsiasi tipo di osservazioni di carattere tecnico ed è per questo che suggerisco questo link http:// www.medialabsonline.com / file / cici_peis_la_mia_sardegna_web.pdf, dove è possibile leggere alcuni commenti critici sull’arte di Cici Peis, pubblicati da critici italiani dell’arte pittorica, autorevoli come Alba Patane, nata a Rieti, nella Regione Lazio (Italia), con cui condivido la stessa opinione sull’artista Cici Peis.

“…. La sua pittura si occupa della vita e della natura. I pastori, i contadini, i pescatori e minatori, la forza irradiante, la forza della realtà per stimolare sensazioni, coinvolgendo lo spettatore nei ricordi di momenti della loro vita in gioventù …. “
Cici è la prova che si può essere un vero maestro, pur essendo un autodidatta ….
Alba Patane.

Fonte Blog SSTM in portoghese.

Nota moderazione

Dettori Lucinha

———————-

 

 

SÉRIE OS GRANDES PINTORES SARDOS: DO FIGURATIVO AO ABSTRATO O TALENTO CRIATIVO DA RETRATISTA CERAMISTA RITA DEIDDA

16 abr

Fonte – Sérgio Carozzag  – videomaker e fotografo oficial 

de eventos artistica de Carbonia

Edição: Blog Sardegna Sa Terra Mia – Brasil 

Adaptção de texto – Lucinha Dettori

A bela Rita Deidda, em Arte DeRita, começou a pintar em 1975.
Em 1989, aflora sua paixão participando de eventos extemporâneos em toda a Sardenha, que para ela é uma escola ao ar livre onde se amadurece e se forma artisticamente.

 Vamos conhecer um  pouco da biografia dessa talentosa artista das belas artes de Carbonia.

Assim começou o ciclo artístico desta brava artista, que passeia com muita naturalidade da pintura, à cerâmica, aos murais, que o famoso arqueólogo Giovanni Lilliu, que, em 1996, na inauguração de um de uma de suas mostras a definiu como a “Pintora”. ceramista criativa, versátil … e nurágica “certamente um grande e valioso reconhecimento para a brava Rita.

Observemos esta pequena galeria de alguns de seus trabalho. Nela vemos nitidamente  a habilidade e sutileza da arte de Rita,  em especial como retratista e paisagista, numa sintonia perfeita  entre o  figurativo e o abstrato, incrivelmente  harmoniosos em uma unica peça, como esta abaixo. 

 E com seus murais, exposições coletivas, exposições individuais, Rita recebeu inúmeros prêmios e reconhecimentos na Itália e no exterior. Em 2000, após uma década de experiência com a cerâmica artística e reprodução de artefatos do período nurágico, dedicou-se plenamente a esta arte que a levou a trabalhar para igrejas, hotéis e particulares. Sua técnica se afina em novos experimentos e tipos de processamentos, de fato, em suas produções começam a aparecer vários materiais: resinas, vidro, cobre, madeira, pedra e outros.

Suas obras embelezam igrejas, hotéis e muitas coleções particulares.
Em 2007, ele pintou em uma parede de madeira (60 metros quadrados) da igreja de Narcao “Os Milagres de S. Nicola di Bari” e no mesmo ano, ela restaurou algumas pinturas na igreja de Perdaxius.

Também criou para algumas igrejas as placas da Via Crucis e restaurou antigas estátuas de santos.

Em outros momentos também ensinou pintura e cerâmica para associações e para particulares que queriam aprender as regras básicas dessas disciplinas.

Nos últimos seis anos, ela criou um Presepio, usando materiais reciclados, que são exibidos por ocasião da mostra “In mineira tra i presepi”, no Museu Carbone, em Carbonia.

Alguns dos seus presépios estão expostos e vistos por muitos visitantes na Livraria Schowcase do museu.

Ainda há muito para escrever, mas paramos por aqui, na esperança de ter descrito de maneira simples e clara o valor desse jovem e talentosa artista.

————————————————————————————————————————————

BIOGRAFIA DI RITA DEIDA. 

 Enviado da  SÉRGIO CAROZZAG –

 Fotografo oficiale di mostra artistiscas di Carbonia. 

La bella Rita Deidda , in arte DeRita ha iniziato a dipingere nel 1975,.Nel 1989 da sfogo alla sua passione partecipando ad estemporanee in tutta la Sardegna , che per lei è una scuola a cielo aperto dove si tempra e si forma artisticamente .
Inizia così il ciclo artistico di questa brava artista .che spaziacon molta naturalezza dallla pittura,alla ceramica , ai murales tanto che colpi così tanto il famoso archeologo Giovanni Lilliu ,che, nel 1996, all’inaugurazione di una sua personale la definì” Pittrice , ceramista creativa , versatile ………..e nuragica “ sicuramente un grande e prezioso riconoscimento per la brava Rita .
E con i suoi Murales, mostre collettive ,mostre personali, Rita ha ricevuto numerosi riconoscimenti e riconoscimenti in Italia e all’estero. Nel 2000, Rita dopo un’esperienza decennale con le ceramiche artistiche e riproduzione di manufatti del periodo nuragico , si dedica pienamente a questa arte che la porta a lavorare per chiese , alberghi e privati . La sua tecnica si affina esperimenta nuovi tipi di lavorazione , infatti nelle sue produzioni cominciano ad apparire materiali vari : resine , vetro , rame , legno , pietra ed altro.
Le sue opere abbelliscono chiese, hotel è molte collezioni private ..
Nel 2007 dipinge su una parete lignea (60 mq) della chiesa di Narcao “I miracoli di S, Nicola di Bari” e nello stesso anno ha restaurato alcuni dipinti nella chiesa di Perdaxius.
Ha anche realizzato per alcune chiese le tavole della Via Crucis e restaurato statue antiche di santi.
Inoltre ha insegnato pittura e ceramica per associazioni e privati che volevano imparare le regole di base di queste discipline
Negli ultimi sei anni, ha realizzato Presepi, utilizzando materiali di riciclo , che vengono esposti in occasione della mostra “ In miniera tra i presepi “ presso il Museo del Carbone a Carbonia .
Alcuni dei suoi presepi sono esposti e visti da numerosi visitatori al Schowcase Bookstore del museo.

Ci sarebbe ancora tanto da scrivere , ma ci fermiamo qui , sperando di aver descritto in maniera semplice e chiaro il valore di questa giovane e bella artista

SÉRIE OS GRANDES PINTORES SARDOS: STEFANO MASILI UM CRIADOR DE IMAGENS REALISTAS QUE NOS SEDUZ.

10 abr

Fonte consultada

LINKS INTERESSANTES DE MASILI:

www.stefanomasili.it

www.facebook.com/stefano.masili

Por : https://sardegnaterramia.wordpress.com/  – Brasil

Edição : Lucinha Dettori

 

Caros amigos,

Dando prosseguimento À Série Pintores sardos, resolve fazer novas edições e reedições de alguns posts mais visualizados do nosso Blog, com alguns dos principais artistas dos vários seguimentos das artes plásticas da Sardenha. Espero que apreciem.  

Nesta segunda nova edição, fui pesquisar os escritos críticos sobre as obras de Stefano Masili, que desde há algum tempo me vem chamado atenção, por se um artista que muito me agrada, em particular por nunca negligência os detalhes mais sutis dos objetos que retrata em suas obras.

Na oportunidade esclareço que sou apenas uma formadora de opinião e grande admiradora dos belos trabalhos de Masili, pela singularidade de suas obras, diante do meu olhar aguçado e interpretativo de alma Naif.

Vamos então conhecer um pouco do caráter e do trabalho desse incrível pintor que acaba de retornar de uma de suas mostra em Londres, juntamente com outros artistas sardos de Carbonia. 

DE MASILI POR MASILI.

Transcrevo aqui, uma definição feita pelo próprio artista sobre o que pensa de si mesmo e o seu olhar crítico analítico sobre a bibliografia de um artista “Diz Stefano Masili:

“Eu não gosto de biografias. Biografia é um ego. O sonho é ser um artista sem biografia, mas é quase impossível, pois a arte é sempre um ego. A biografia é: Eu sou …
apenas peço desculpas: há pessoas que se perguntam quem é Stefano Masili e de onde ele vem?
O que ele faz?
Então, para eles, aqui está minha vida :

Nasci em Carbonia em 27 de novembro de 1952.
Viajei para as cidades do Oriente e para os museus do Ocidente. Eu tento fazer o que eu gosto, sem perseguir modismos.
Eu amo espaguete.
Às vezes a arte me irrita.
Eu gosto de histórias, livros e tardes de verão.
Eu tive um grande amigo pintor agora eu tenho muitos amigos artistas.
Eu gosto de viajar de trem.
Na arte como na vida eu amo sensações. 

Eu quero ser uma árvore
Eu perco minhas memórias e isso me deixa com raiva. Quero que minhas pinturas seduzam quem as vê. 

Eu exponho um pouco ‘em todo lugar e isso me angustia.
Eu moro em Carbonia com Ornella.

 Nós temos dois grandes álamos na frente da casa. Sérgio meu filho é um grande sonho. 

Eu sou um fabricante de imagens. “

Este é Stefano Masili em sua essência, que teve o privilégio de nascer em Carbonia, berço dos mais talentosos artistas da ilha da Sardenha, que se faz presente com seus trabalhos artísticos em coleções públicas e privadas em várias partes da Europa e na Sardenha.

SOBRE SUA ARTE

É sabido que Stefano Masili, se expressa através de vários argumentos, mas uma delas em particular é a mais representativa foi o ciclo das pinturas sobre as AGAVI, cientificamente catalogada como a do tipo “esmettiana variegata” encontrada em grande profusão na bacia mediterrânea, que dizem não ter medo nem do sol e nem do frio do frio Mistral.

 Suas com Folhas são verde-claro com variegação branca-amarela ao longo das margens, em forma de lança, dispostas em espiral em uma formação de roseta, cada folha termina com uma espinha terminal.

 Floresce com a idade entre 8-10 anos, este agave irá produzir uma haste grossa e verde, que emerge do centro da planta elevando-se, de 2-3 metros de altura, com muitas flores que são seguidas por bulbilhos (brotos), depois por sementes e após esse processo a planta morre.

 Esta e uma Planta rústica, de belo efeito ornamental, excelente como planta isolada ou para formação de grupos em meio aos gramados ou nos jardins rochosos.

 Nestas suas pinturas, não precisa que o expectador seja necessariamente um crítico de arte para notar a incrível criatividade do artista em retratar as cores e formas, tão bem delineadas dessa planta, onde a leveza das folhas vivas sobrepõem as já inertes e secas no chão. Representando desta forma, o verdadeiro paradigma do ciclo entre a vida e da morte. 

O Próprio artista, em uma de suas inúmeros entrevistas, nos fala sobre o seu amor pelo ciclo Agavi, do qual lhe porta um verdadeiro fascínio, que ele define como lindos candelabros de luz, em repouso silencioso nas grandes falésias, como guardiões do mar e termina como a mais bela definição de sua matéria prima.

 “Eu era fascinado por agavi e senti a necessidade urgente de contar o balanço de emoções e sensações que me perseguiam.

 Seduções, enganos, percepções de folhas carnudas, enroladas e ressecadas, raízes e espinhos madeirado, elegante dança de luzes, tons e meios-tons de verdes turquesa. Síntese de agavi reduzidas a fibras essenciais. Nascidos da água, das cores azul-cobalto e verde-mar até morrerem queimados nos arcos da terra, com as cores do fogo de metal, das laranjeiras e do cádmio vermelho. Em suma AGAVI …”

CICLO DAS PINTURAS  AGAVI

 Me é prazeroso e bem poderia ficar a falar sobre as dezenas de comentários críticos que li sobre Stefano Masili, mas prefiro me ater a apenas mais umas preciosas avaliações para concluir o meu post, sintetizado o comentário crítico sobre Stefano Masili, da crítica de arte Elizabett Marchioni, muito bem irá pontuado o nosso texto. Neste ela nos fala sobre a dimensão mítica das obras das artistas que ultrapassa a realidade mágica, sem distorce a visão da realista.

 Seus comentários vão  além das Agavi, e ai, reporta-se às todas  particularidades retratadas nas pinturas das fazes “Janelas” da galeria abaixo, como Janela e cafeteira, Janela e botas, Alho e cobre, Moedor Cebolas, num contrate belíssimo de luz e delineamentos de sobras nas paredes, num lindo e leve realismo, rico de detalhes, diferente dos Agavi que nos ofusca com a claridade brilhante do sol, a  nos falar sobre a terra árida e seca do artista, bem como suas paisagens e figuras do cotidiano abaixo.

TEMA : AS JANELAS 

 

 

TEMA: PAISAGENS 

 

FIGURAS

 

Terminando com a definição mais característica de do artista, diz: Stefano Masili. pinta com grande atenção a verdade, lembrando um realismo cuidadosamente mimético, refinado e cuidadoso”. 

 

————————————————————————————————————————————————————————-

SERIE I GRANDI PITTORI SARDI: STEFANO MASILI UN CREATORE DI IMMAGINI REALISTICHE CHE SEDUCIAMO.

 Cari amici,

Continuando l’edizione della serie dei pittori sardi, ho deciso di creare nuove edizioni e riedizioni di alcuni dei nostri post più visti sul nostro Blog, con alcuni dei principali artisti di vari segmenti delle arti sarde. Spero ti piaccia.

 In questa seconda nuova edizione, ho fatto ricerche sugli scritti critici sulle opere di Stefano Masili, che da qualche tempo è venuto a richiamarmi all’attenzione, per essere un artista che mi piace, in particolare per non trascurare mai i dettagli più sottili degli oggetti che ritrae in le loro opere.

 Nell’opportunità chiarisco che sono solo un formatore di opinioni e grande ammiratore delle belle opere di Masili, dalla singolarità delle sue opere, davanti al mio sguardo acuto e interpretativo dell’anima Naif.

 Facciamo quindi conoscere un po ‘del personaggio e del lavoro di questo incredibile pittore che è appena tornato da uno spettacolo londinese insieme ad altri artisti sardi di Carbonia.

 DI MASILI DA MASILI.

 Qui trascrivo, una definizione fatta dall’artista stesso su ciò che pensa di se stesso e il suo occhio critico analitico sulla bibliografia di un artista “dice Stefano Masili:

 “Non mi piacciono le biografie. La biografia è un ego. Il sogno è di essere un artista senza biografia, ma è quasi impossibile, perché l’arte è sempre un ego. La biografia è:

Io sono …

Mi scuso appena: ci sono persone che si chiedono chi è Stefano Masili e da dove viene?

Che cosa fa?

Quindi, per loro, ecco la mia vita per:

Sono nato a Carbonia il 27 novembre 1952.

Ho viaggiato nelle città dell’est e nei musei dell’ovest. Cerco di fare ciò che mi piace senza perseguire mode.

Adoro gli spaghetti.

A volte l’arte mi irrita.

Mi piacciono le storie, i libri e le serate in estate.

Ho avuto un grande amico pittore ora ho molti artisti amici.

Mi piace viaggiare in treno.

Nell’arte come nella vita amo le sensazioni.

Voglio essere un albero.

Perdo i miei ricordi e mi fa arrabbiare. Voglio che i miei quadri seducano quelli che li vedono.

 Lo distendo un po ‘dappertutto e mi angoscia.

Vivo a Carbonia con Ornella.

 Abbiamo due grandi pioppi davanti alla casa. Sergio, figlio mio, è un grande sogno.

 Sono un creatore di immagini. “

Si tratta di Stefano Masili in sostanza, che ha avuto il privilegio di nascere a Carbonia, città natale degli artisti più talentuosi dell’isola di Sardegna, che è presente con le sue opere in collezioni pubbliche e private in varie parti d’Europa e in Sardegna.

 A PROPOSITO DELLA TUA ARTE

 E ‘noto che Stefano Masili, si esprime attraverso vari argomenti, ma uno in particolare è il più rappresentativo è stato il ciclo di dipinti su AGAVI scientificamente catalogati come tipo “esmettiana variegata” si trovano in grande profusione nel bacino del Mediterraneo, dicono di non aver paura del sole e del freddo del freddo di Maestrale.

.Le foglie sono di colore verde chiaro con variegatura giallo-bianca lungo i margini, a forma di lancia, disposte a spirale in una formazione a rosetta, ogni foglia termina con una spina terminale.

 Fiorisce con l’età tra 8-10 anni, questo agave produrrà un fusto verde spesso, che emerge dal centro della pianta che sale, alta 2-3 metri, con molti fiori che sono seguiti da bulbi (germogli), poi dai semi e dopo questo processo la pianta muore.

 Questa è una pianta rustica, con un bellissimo effetto ornamentale, eccellente come pianta isolata o per la formazione di gruppi in mezzo ai prati o nei giardini rocciosi.

 In questi suoi quadri non hanno bisogno dello spettatore necessariamente essere un critico d’arte notare l’incredibile creatività dell’artista nel ritrarre i colori e le forme, così delineato questa pianta, dove la leggerezza delle foglie che vivono sovrappongono già inerte e asciugare il pavimento. Rappresentando in questo modo, il vero paradigma del ciclo tra la vita e la morte.

.La stessa artista in una delle sue numerose interviste, ci racconta il suo amore per il ciclo Agavi, che porta una vera e propria fascinazione, che egli definisce come bellissimi lampadari luce, in una zona tranquilla di riposo in grandi scogliere, come guardiani del mare e termina come la più bella definizione della sua materia prima.

 “Ero affascinato dalle agavi e sentivo l’urgenza di raccontare l’equilibrio delle emozioni e delle sensazioni che mi perseguitavano.

 Seduzioni, inganni, percezioni di foglie carnose, arricciate e secche, radici legnose e spine, elegante danza di luci, ombre e mezzitoni di verdi turchesi. Sintesi di agavi ridotti a fibre essenziali. Nati dall’acqua, blu cobalto e verde mare, fino alla morte, bruciati negli archi della terra, con i colori del fuoco di metallo, degli aranci e del cadmio rosso. In breve AGAVI … “

 Mi piace e potrei parlare delle decine di commenti critici che ho letto su Stefano Masili, ma preferisco attenermi a valutazioni più preziose per completare il mio post, sintetizzato il commento critico su Stefano Masili del critico d’arte Elizabett Marchioni, punirai molto bene il nostro testo. In questo ci racconta la dimensione mitica delle opere degli artisti che supera la realtà magica, senza stravolgere la visione del realista.

  I suoi commenti vanno oltre le Agavi, e lì, si riferisce a tutte le particolarità raffigurate nei dipinti delle facciate “Janelas” della galleria sottostante, come Finestra e caffettiera, Finestra e stivali, Aglio e rame, Cipolle Grinder, in una bella luce e schemi di avanzi sulle pareti, in un realismo bello e leggero, ricco di dettagli, a differenza delle Agavi che ci abbagliano con la luce del sole, raccontandoci dell’arida terra  dell’artista.

 Finendo con la definizione più caratteristica dell’artista, dice: Stefano Masili. dipinge con grande attenzione la verità, assomigliando a un realismo attentamente mimetico, raffinato e attento “.

LINK INTERESSANTI DAI MASILI:
http://www.stefanomasili.it

http://www.facebook.com/stefano.masili