Arquivo | História de Imigrante RSS feed for this section

SARDENHA DOS MEUS ENCANTOS…

19 nov

Um vídeo incrível de um arquivo britânico. Sardenha em 1963.
Poucos turistas por perto…

A imagem pode conter: 1 pessoa

Envidao por : PEPPINA PINTUS

Edição: Blog SSTM – Brasil

Lucinha Dettori

Anúncios

SAS PRENDAS : A FACA E O ANEL – OBJETOS TROCADOS NO COMPROMISSO MATRIMONIAL SARDO –

21 out

                         
HISTÓRIAS E TRADIÇÕES SARDAS
 DI:  DOMENICO MELIA – SASSARI -S
ADAPTAÇÃO EM PORTUGUÊS-
LUCINHA DETTORI
Trocar um Maninfede( anel)  ou faca sardônica  significa um  comprimisso matrimonial na Sardenha …

Dizem que foram os lendárias janas que deram origem as jóias da ilha.
O Mercure, um barco da republica Napoleonica Francesa construído em 1805, foi cedido ao Reino da Itália em 1809.Na noite de 21 de Fevereiro de 1812, esta embarcação, escolta, juntamente com sua irmã Jena e Mameluck, o navio Rivoli,  que teve a infelicidade de entrar, fora do porto de Veneza, no esquadrão naval ingles Royal Navy.

As duas frotas começaram um choque (lembrado como a Batalha de Grado), durante o qual o Mercure, sob os golpes da brigada britânica Weasel, explodiu no mar. Ele despedaçou em dois troncos: o popa afundou instantaneamente, o e a proa caiu a cerca de cem metros de distância.
O naufrágio, descoberto em fevereiro de 2001, é o único navio do Reino da Itália, sendo o navio combatente tricolor mais antigo.

Você se perguntará: “O que tem isto a ver com a Sardenha?” Aparentemente nada.

No momento do naufrágio, havia 92 homens a bordo da embarcação. Para ser exato, 5 oficiais, 67 marinheiros e 20 soldados. Entre os objetos pertencentes a esses homens, o mar guardou durante quase dois séculos uma fé de ouro, um anel com granulações bastante elaborado: a fé sardônica ou o anel de compromisso típico de uso exclusiva da mulher sarda, ou mais comumente chamado de manifede.

Como havia mulheres a bordo do navio, essa fé era talvez a promessa de amor de um membro da tripulação para a sua amada, que esperava o retorno. Ou foi um simples lembrete … Quem sabe o que a majestosa história de amor está escondida atrás desse anel! Para cada um de vocês, deixo o prazer de ventilar sua fantasia.

A fé da Sardenha,( ou o Manifede) plana e decorada com gotas de ouro ou prata, como uma risada lacy, é um dos mais belos produtos do artesanato da Sardenha. Apreciado e conhecido em todo o mundo, era um verdadeiro anel de casamento.

Hoje, desconectado de seu antigo valor simbólico, também existe na versão masculina (mais simples e sem a parte plana) e é comprado diariamente por turistas e turistas. Mas nada impedirá você de recuperar sua antiga função se você, em um ímpeto vagamente retro, quiser declarar amor eterno a alguém.

Ou se preferir, você pode escolher o mannish, outro anel da Sardenha simbolicamente relacionado à fé. Uma vez, ele sela o caso de amor entre um homem e uma mulher que decidiram se casar.

Como a palavra diz, “mãos na fé”. Na verdade, o objeto representa duas mãos unidas.

Quando uma garota aceitava esse presente , este anel, se tornova uma mulher e, em troca, ela dava ao homem uma faca com uma alça de chifre. Então, a aliança ou o pacto eterno do noivado era celado.

COLTELLO DE CABO DE OSSAEstas são duas belas jóias, entre as jóias da Sardenha.
Conta-se que foram os legendarios Jonas ( feitos sardos) que , tecendo fios finos de ouro e prata, e entrelaçando-os com pedras preciosas, para dar origem às jóias da ilha: ou AS PRENDAS – SA PRENDAS.


cambiarsi la fede sarda o coltello e maninfide

Si racconta che furono le leggendarie Janas a dare origine ai gioielli dell’isola.

Il Mercure, un brigantino della Repubblica Francese di Napoleone costruito nel 1805, fu ceduto al Regno Italico nel 1809. La notte del 21 febbraio 1812, questa imbarcazione, di scorta, insieme alle gemelle Jena e Mameluck, al vascello Rivoli, ebbe la sventura di incappare, fuori dal porto di Venezia, nella squadra navale inglese Royal Navy. Le due flotte diedero inizio a uno scontro (ricordato come battaglia di Grado), durante il quale il Mercure, sotto i colpi del brigantino inglese Weasel, esplose in mare. Si spezzò in due tronconi: quello di poppa affondò immediatamente, quello di prora si inabissò a circa cento metri di distanza.

Il relitto, scoperto nel febbraio 2001, è l’unico di una nave del Regno Italico, la più antica nave battente tricolore.

Vi starete chiedendo: “Cosa c’entra tutto questo con la Sardegna?”. Apparentemente nulla.

Al momento del naufragio, a bordo del brigantino erano presenti 92 uomini. Per essere esatti, 5 ufficiali, 67 marinai e 20 militari. Tra gli oggetti appartenuti a questi uomini, il mare ha custodito per quasi due secoli una fede d’oro, un nastro di granulazione piuttosto elaborata: la tipica fede sarda da donna.

Dal momento che a bordo della nave sembra escluso ci fossero donne, quella fede era forse il pegno d’amore di un membro dell’equipaggio per la sua amata, che ne aspettava il ritorno. O era magari un semplice ricordo…Chissà quale maestosa storia d’amore si nasconde dietro quell’anello! A ognuno di voi il piacere di dare sfogo alla propria fantasia.

La fede sarda, piatta e decorata con gocce d’oro o d’argento, a mo’ di pizzo chiacchierino, è uno dei più bei prodotti dell’artigianato sardo. Apprezzata e conosciuta in tutto il mondo, anticamente era un vero e proprio anello di nozze. Oggi, slegata dal suo antico valore simbolico, esiste anche nella versione maschile (più semplice e priva della parte piatta) e viene acquistata quotidianamente da turisti e turiste. Ma nulla vi vieterà di recuperare la sua antica funzione se, in un impeto vagamente retrò, vorrete dichiarare amore eterno a qualcuno.

O se preferite potete scegliere il maninfide, altro anello sardo simbolicamente affine alla fede. Un tempo suggellava il patto d’amore tra un uomo e una donna che decidevano di sposarsi.

Come dice la parola, “mani in fede”. L’oggetto rappresenta infatti due mani unite.

Quando una fanciulla accettava in dono questo anello diveniva donna e in cambio di esso donava all’uomo un coltello con il manico di corno. Così veniva stretto il patto eterno del fidanzamento.

Questi sono due splendidi gioielli, tra i gioielli sardi.

Si racconta che furono le leggendarie Janas (fate sarde), tessendo sottili fili d’oro e d’argento, e intrecciandoli con gemme preziose, a dare origine ai gioielli dell’isola: sas prendas.

 

S’ARDIA’ UNS DOS FESTIVAIS MAIS FASCINANTES DA SARDENHA

13 out

Titolo: Sagra in Sardegna
Autore: Serra Fiorenzo
Regia: Serra Fiorenzo
Direttore d’orchestra: Porrino Ennio
Montaggio: Serra Fiorenzo
Musiche: Porrino Ennio
Riprese: Serra Fiorenzo
Fotografia: Serra Fiorenzo
Sigla: Serra Fiorenzo
Testi: Motta MarioPinna Luca

De grande interesse histórico e antropológico, este documentário descreve em todos os seus aspectos o festival de San Costantino, destacando, em particular, todas as fases complexas de um dos mais famosos festivais da Sardenha, chamado  S’Ardia.

Esse acontece em SEDILO,  uma comuna (município) na província de Oristano,uma pequena aldeia de 2000 habitantes na Sardenha.  Sedilo, antes de 1974, pertencia a província de Cagliari. Está localizado na sub-região histórica de Guilcer. A origem do seu nome advém da palavra latina sedulus, que significa trabalhador.

S ‘Ardia é um dos eventos mais fascinantes da Sardenha.  A corrida espetacular chega em torno da igreja de San Constantino, onde  que todos os anos cerca de 100 cavaleiros participam. Ocorre na noite de 6 de julho e é repetido na manhã do dia 7 de julho.O interessante é que,  oito dias após o S’Ardia a cavalo (a oitava ou s’ottada) é feito outro evento só que desta feita a pé, seguindo o mesmo caminho.

Edição português : Blog SSTM – Brasil

Por Lucinha Dettori

——–

Di grande interesse storico e antropologico, questo documentario descrive in tutti i suoi aspetti la festa di San Costantino, mettendo in evidenza, in particolare, tutte le complesse fasi di uno dei festival più famosi della Sardegna, chiamato S’Ardia.

Ciò avviene a Sedilo, un comune (comune), in provincia di Oristano, un piccolo paese di 2.000 abitanti in Sardegna. Sedilo, prima del 1974, apparteneva alla provincia di Cagliari. Si trova nella storica zona suburbana di Guilcer. L’origine del suo nome deriva dalla parola latina sedulus, il che significa lavoratore.

S ‘Ardia è uno degli eventi più affascinanti della Sardegna. La gara spettacolare viene intorno alla chiesa di San Constantino, dove ogni anno circa 100 cavaliere partecipano. Si verifica la notte del 6 luglio e si ripete in 7 interessante julho.O del mattino è che, otto giorni dopo che il cavallo S’Ardia (l’ottavo o s’ottada) viene eseguita solo altro evento che questa volta passeggiata , seguendo lo stesso percorso.

Edição português : Blog SSTM – Brasil

Por Lucinha Dettori

A PRÁTICA DA TERAPIA EMPÍRICA: NA SARDENHA SÃO MAIS DE 1700 GUARDIÕES…

13 set

Fonte: Pietro Mileddu
Por: SSTM – Brasil
Edição em português Lucinha Dettori

Os Guardiões, os Meighinosas, as Politzadoras (que acompanham os espíritos dos mortos, os portadores de iella, as mulheres videntes, aquelas que eram consideradas pelas pessoas, as mulheres do olhar brilhante, o olhar intenso e ardente, cheio de encanto divertido, cheio de poder misterioso, com poderes sobrenaturais, aqueles com o poder de evocação, capazes com a única vontade … aqueles da pupila dupla, etc…

Quantas definições, para todas as mulheres que disponibilizaram à sociedade seus conhecimentos, que durante séculos, não milênios, passaram de geração em geração, definições

que no passado eram usados para identificar as “bruxas” a serem enviadas para a estaca. No entanto … apesar de tudo … acusadas, presas, torturadas, queimadas vivas, relegada às margens da sociedade, também ….ainda hoje estima-se que na Sardenha “operam” cerca de 1700 curandeiros (90% de GARANTIA) centenas e centenas de pessoas relacionadas ao mal-estar, existem 339 praticantes (18 homens). Alguns pesquisadores dizem que não há lugar na Sardenha, onde as terapias (empíricas ou mágicas) não são praticadas “são consideradas empíricas quando o elemento a ser curado é constituído, por exemplo, por uma decocção, um óleo, uma pomada, etc., é considerado um rito mágico quando o curandeiro só funciona através da pronúncia de fórmulas, mágicos (brebos) ou uma oração, ou um ritual misto.

Mesmo hoje, apesar da ciência, apesar da tecnologia, milhares e milhares de pessoas, de todas as classes sociais e com diferentes graus de educação, quando o medicamento oficial não funciona, volte-se para essas figuras.

A cura misteriosa, como alguém diz, é tão numerosa, para despertar “questões que parecem impenetráveis”, e entre o ceticismo e a fé cega, quando a necessidade os impõe indiscriminadamente, estão em linha para ser recebida e, ao mesmo tempo,
—————————————————————————————————————–

Le GUARITRICI, i Meighinosas, le Politzadoras (accompagnatrici degli spiriti dei morti, le portatrici di iella, le donne veggenti, quelle tenute in gran considerazione dal popolo, le donne dallo sguardo trafiggente, dallo sguardo intenso e ardente, pieno di fascino ammaliatore , pieno di forza misteriosa, con poteri sopranaturali, quelle dotate di potenza suggestiva, capace con sola volontà.. quelle dalla..doppia pupilla..ecc..

Quante definizioni, per tutte quelle donne che mettevano a disposizione della società le loro conoscenze, che da secoli, per non dire millenni, si tramandavano di generazione in generazione,definizioni

che in passato servivano per identificare le “streghe” da mandare al rogo. Eppure… nonostante tutto, … accusate, arrestate, incarcerate, torturate, bruciate vive, relegate ai margini della società, eppure… ancora oggi si calcola che in Sardegna “operino” circa 1700 guaritori (il 90% GUARITRICI) centinaia e centinaia quelle riguardanti il malocchio, si parla di 339 praticanti (18 uomini). Qualche ricercatore afferma che: non c’è luogo in Sardegna in cui non si pratichino terapie (empiriche, o magiche) ” sono considerate empiriche quando l’elemento che si ha per guarire, e costituito da per es. un decotto, un olio, una pomata ecc.. invece è considerato rito magico, quando il guaritore opera soltanto attraverso la pronuncia di formule, magiche (brebos) o una preghiera, oppure con un rito misto.

Ancora oggi, nonostante la scienza, nonostante le tecnologie, migliaia e migliaia di persone, di tutti i ceti sociali, e con vari gradi d’istruzione, quando la medicina ufficiale non funziona, si rivolgono a queste figure.

Le misteriose guarigioni come dice qualcuno sono cosi numerose, da suscitare “interrogativi che appaiono impenetrabili” e tra scetticismo e cieca fede, quando la necessità lo impone tutti indistintamente, si mettono in fila per essere ricevuti, e contemporaneamente sperare che il rito “riesca” e la guarigione arrivi.

CRÔNICAS BRASILEIRAS: SOMENTE PARA MULHERES POLITICAMENTE INCORRETAS…

31 ago

 

Di: Danusa Leão

Fonte : Recanto das Letras

Tradução – Lucinha Dettori

Titulo : O Sorvete.
Resultado de imagem para imagem de um sorvete

DUAS BOLAS, POR FAVOR!

Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir sorvete de sobremesa, contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente uma bolinha minúscula do meu sorvete preferido.

Uma só? Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa.
Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um litro de sorvete bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O sorvete é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano.
A vida anda cheia de meias porções, de prazeres meia-boca, de aventuras pela metade. A gente sai pra jantar, mas come pouco.

Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.
Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de ‘fácil’).
Adora tomar um banho demorado, mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta.

Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo, mas tem medo de fazer papel ridículo.
Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar. E por aí vai.

Tantos deveres, tanta preocupação em ‘acertar’, tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação…

Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão…
Às vezes dá vontade de fazer tudo ‘errado’. Deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos.

Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito. Recusar prazeres incompletos e meias porções.

Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim: ‘Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora’…

Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar várias bolas de sorvete, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado.
Um dia a gente cria juízo. Um dia. Não tem que ser agora!

Por isso, garçom, por favor, me traga: cinco bolas de sorvete de chocolate, um sofá pra eu ver 10 episódios do ‘Law and Order’, uma caixa de trufas bem macias e o Richard Gere, nu, embrulhado pra presente. OK? Não necessariamente nessa ordem!

Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago…

—————————————————————————————————————————————–

Di: Danusa Leão

Fonte : Recanto das Letras

Tradução – Lucinha Dettori

Titulo : Il Gelatto
Due palle, PER FAVORE! –

Non c’è niente che mi lascia più frustrato che chiedere gelato per dessert, contando i minuti finché egli venga e poi vedere il cameriere ha messo di fronte a me una piccola pallina di mio gelato preferito.

Uno solo? quanto piu sofisticato il ristorante, minore è la parte del dessert.
Non mancheranno di dare è quello di passare un negozio, comprare una pinta di gelato cremoso e assaporare in casa con il diritto di ripetere tutte le volte che voglio, senza pensare a calorie, le buone maniere e la moderazione.

Il gelato è solo un esempio di ciò che è stato la nostra vita quotidiana.
La vita è piena di mezze porzioni, di piaceri di mezza bocca, di avventure a metà. Usciamo per cena, ma mangiamo poco.

Vai alla festa nuziale, ma resistete ai cioccolatini.
Conquista la cosiddetta libertà sessuale, ma deve far finta che sia difficile (la stragrande maggioranza delle donne teme ancora di essere etichettata “facile”).
Ama fare una doccia lunga, ma continua a non sprecare le risorse del pianeta.

Vuole baciare quel ragazzo 20 anni più giovane, ma ha paura di svolgere un ruolo ridicolo.
Vuole rimanere a casa a guardare un DVD, che si trova sul divano, ma si impegna a lavorare. E così va.

Tanti compiti, tante preoccupazioni per “farlo bene”, tanto impegno per passare attraverso la vita senza recupero …

Poi la vita va senza condimenti, politicamente corretti ed esistenzialmente noiosi, mentre stiamo diventando melanconicamente malsani …
A volte mi sento come fare tutto “sbagliato”. Lasciare da parte il righello, la bussola, la bussola, l’equilibrio ei 10 comandamenti.

Essere ridicolo, inadeguato, incoerente e non essere lì per quello che dicono e cosa pensano a noi. Rifiuti piaceri incompleti e mezze porzioni.

Anche Sant’Agostino, santo, si ribellò e disse una frase simile: “Dio, darmi continenza e castità, ma non adesso” …

Noi non aspiriamo alla santità e noi siamo qui di passaggio, si può (deve?) Vuoi più palline di gelato, caramelle, molti sapori vari dati e baci, l’acqua che avvolge senza fretta nel corpo, il cuore sazio.
Un giorno creiamo giudizio. Un giorno. Non deve essere adesso!

Così, cameriere, vi prego di portare cinque palline di gelato al cioccolato, un divano per me vedere 10 episodi di ‘Law and Order’, una scatola di tartufi molto morbidi e Richard Gere, nudo, avvolto ad oggi. OK? Non necessariamente in quell’ordine!

Poi vedremo come è stato fatto per risolvere il danno …

————————————————————–